sexta-feira, 31 de julho de 2009

Dúvida de um aluno muito querido: senão o mais amado, meu sobrinho!


Olá!
A minha dúvida era sobre a conjugação dos
verbos "ter" na seguinte frase:
"Tem/têm coisas na vida que não tem/têm explicação."

Às vezes acho que os dois verbos "ter" têm o mesmo sujeito.

O que não tem* explicação? Essas coisas na vida que têm/existem.

* engraçado que o tem aqui ficou no singular.

Mas, reescrevendo com o verbo existir:
"Existem coisas na vida que não tem/têm explicação".
"Existem coisas na vida. Elas não têm explicação".

Então, o correto seria:
"Têm coisas na vida que não têm explicação"?

Bjos.
Vamos à lógica da língua: Nos seus desdobramentos você já apresenta a resposta. Fácil, fácil de não confundir.Vamos ao LEIA MAIS.

"Tem/Há/Existem coisas na vida que não tem/(têm?) explicação".
O verbo ter, quando for usado no sentido de haver, ele, assim como o verbo haver no sentido de existir, não pluraliza. Certo?
Há coisas. Existem coisas. Tem coisas.
A substituição do haver pelo ter é um fenômeno recorrente no português falado no Brasil.
"Existem coisas na vida que não têm explicação".
Por que a forma verbal nesse caso pluraliza?
Veja bem: Qual é o referente da forma verbal têm? A palavra coisas, que está no plural, retomada pelo pronome relativo "que" sujeito do referido verbo. Certo?
A confusão se dá, nesse caso, porque o referente do sujeito está um pouco distante do verbo e ficamos na dúvida porque iniciamos a frase com uma palavra sonoramente idêntica.
Mas lembre-se de que o primeiro "tem" é impessoal, por isso não tem flexão.
O segundo "tem" é pessoal, apresenta um referente que é o pronome relativo "que" anafórico da palavra "coisas" por isso tem flexão. "Coisas não têm explicação".
Você ainda aponta como engraçado o fato de em "O que não tem* explicação?" o verbo ser no singular. Certo, isso mesmo, por quê? Porque, para muitos, a palavra "que" é um pronome interrogativo singular referente da forma verbal "tem". Outra interpretação seria pensar que o referente da forma verbal é o pronome "que" cujo referente é o artigo "O" equivalente a "aquilo".
"Aquilo que não tem explicação". Entende?
Desculpe a demora em responder ao seu questionamento, mas é que estava meio atropelada.
Beijo, se ainda tiver dúvidas, poste-as e discuti-las-emos.

5 comentários:

Rafaela disse...

Assim como por e pôr, mas por é preposição e pôr é verbo.
A reforma ortográfica mexe com a cabeça da gente!

Elayne disse...

Rosamélia,

Você é uma pessoa encantadora, inteligente, bem humorada e seu blog reflete este brilho que é você.
Dedico o selo Blog dorado para você, venha até o curiosidade para buscá-lo, e aproveitemos para trocar um "dedinho de prosa".
Beijos

Rosamélia disse...

Rafinha, a reforma mexe realmente com a nossa cabeça! Coisas aprendidas há tempos parecem que, pela força do hábito, nunca a reaprenderemos.
Contudo, vale lembrar que o acento do TÊM marca a flexão do verbo. Ele não caiu. E o acento do PÔR é diferencial. E também não caiu. Certo? Beijinho

Rosamélia disse...

Obrigada, Elayne. Vamos marcar...

Júlio disse...

Tem regras na língua portuguesa que não têm como deduzir, tem de conhecer a fundo as exceções.

Pode deixar que sempre postarei minhas dúvidas, porque elas não são poucas, ainda mais que as exceções são muitas.

Bjos.