domingo, 27 de outubro de 2013

Amor à vida.

Sempre fui fã do Walcyr Carrasco. Seus textos são muito bons... Apaixonei-me pelo seu jeito de escrever quando li o seu conto "O caçador de palavras". Excelente. À medida que fui conhecendo a sua obra, fui me tornando sua leitora voraz... Quando ele adaptou "A megera domada", de Shakespeare, para a TV, na novela "O cravo e a rosa", também gostei muito pelo tom cômico brasileiro que ele deu à comédia shakespeariana... Em relação à "Amor à vida", tive minhas dúvidas se ele manteria o padrão de qualidade. Tenho que me render e parabenizar o Walcyr pela composição do personagem Félix. Ele encarna o paradoxo existencial "preconceitualístico" (se não existir essa palavra, acabei, por ordem da licença poética, de inventar): É vítima de preconceito, mas também é preconceituoso com os menos favorecidos economicamente, com os obesos, com os idosos. Realmente, o Walcyr entende a arte de compor um personagem.

Nenhum comentário: